NEI LISBOA

em casa e (ao) vivo

Sete a um

Descartados os merda, porra, foder e putaria bem próprios ao linguajar da milícia mais tosca, o vídeo da reunião ministerial liberado semana passada mais impressiona nas perversões políticas exibidas pelos que tomam a palavra, com a maior franqueza e sem pestanejar. Da parte de Bolsonaro, a missão óbvia é torrar o ex-ministro da justiça e poupar os filhos e a si mesmo de qualquer investigação. Ladeado por uma junta militar, torna patente também o interesse em um golpe de estado que facilite as coisas, ao acenar com todo tipo de barbárie institucional e recebendo o aplauso sabujo dos ministros da Educação e da Infraestrutura.


O ministro Salles, do Meio Ambiente, no mais descarado oportunismo, sugere que se aproveite a distração da imprensa e do público com a Covid-19 para desregulamentar todo o possível na área ambiental. E abusa da inteligência alheia sugerindo que o mundo espera exatamente isso do Brasil. Sobre o assunto, vale uma conferida em matéria do último Fantástico, da agora companheira e militante rede Globo, disponível aqui.


Paulo Guedes é um ideólogo neoliberal de inspiração nazista, como bem demonstrado nesse fio do twitter de Fernando L’Ouverture. Mas invoca a reconstrução da Alemanha, com aquele estilo sapiente de técnico de futebol de praia, para modelar a estratégia que resultará na retomada da economia e no pleno emprego: “absorver” nos quartéis um milhão de jovens, a R$ 200/mês por cabeça, para que estudem OSPB pela manhã e construam estradas de tarde.



O Banco do Brasil, que financia 60% da agricultura brasileira, entra na pauta da conversa e Guedes lasca “tem que vender essa porcaria”, para deleite e gargalhada do seu chefe. O presidente da instituição sai em tímida defesa mas acaba por admitir a privatização do BB, ao que Bolsonaro satisfeito determina “mas só se fala disso em 2023”. O ministro do Turismo tem sua própria panaceia para a retomada no setor: cassinos, que ele assegura não terão nenhum impacto na vida familiar dos brasileiros. Mas ouve-se do outro lado da sala a voz da ministra Damares discordando: “Pacto com o diabo!”.


Mencionando também um “pacto do Brasil”, e citando o exemplo da Alemanha Oriental depois da queda do muro, o ministro do Desenvolvimento Regional é o único a demonstrar alguma consternação pelos desfavorecidos, quem sabe penitenciando-se do passado recente de articulador da reforma da previdência no Congresso. Teich, ainda na Saúde, por óbvio faz da pandemia o assunto de sua fala, mas reverbera o descaso geral ao focar na ideia de uma “comunicação eficiente” que possa desfazer o temor reinante na população.


O general Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil que já foi citado como “presidente operacional”, é quem abre os trabalhos do dia. Logo no início do vídeo, apresenta o tema central da reunião: o Pró-Brasil, descrito pelo autor como um “Plano Marshall brasileiro”, antecipa uma calamidade de proporções comparáveis. Mas não se trata aqui de socorrer a Europa, e sim aos próprios brasileiros das duras consequências da pandemia. De todo modo, foi a primeira das três referências à Alemanha do pós-guerra que se seguiram, em projeções de uma salvação nacional futura. Inspiradas pelo ainda traumático sete a um na copa de 2014, quem sabe, ou então é mesmo o Terceiro Reich que anda povoando a imaginação fértil do nosso poder executivo.


* * *


Quinta-feira é dia de live, às 17h em youtube.com/neilisboatv e também na videoteca do site.

Publicações Recentes

(Des)invertendo sinais

No início de abril, publiquei aqui no blog uma queixa intensa por ter sido desclassificado em edital do governo do estado do RS, derivado...

Sobre trajetórias

Estou, como tantos já se mostraram, espantado com o resultado do edital Trajetórias Culturais, da Secretaria da Cultura aqui do RS....

O que temos para o futuro

Desde o início da pandemia da Covid-19, a luta contra a doença no Brasil tem sido a de um embate duplo: por um lado lidando com a...

assista

colabore

Sobre a campanha

Para os que quiserem colaborar com o site e a subsistência dos autores durante o confinamento da covid-19, a colaboração pode ser feita através do PIX de e-mail contato@neilisboa.com.br ou ​digitalizando o QR code abaixo:

qr-pix.png

O site, o blog e as lives estarão sempre abertos a todos sem cobrança alguma, feitos com grande prazer e obviamente também com algum custo e muito trabalho. Toda contribuição é bem-vinda e igualmente agradecida de coração.