NEI LISBOA

em casa e (ao) vivo

Sem ofender

Olho as fotos da multidão reunida na orla do Guaíba no último final de semana, quando completei dois meses de quarentena, e penso que sou um idiota. Por que me privo dessa maravilha que é passear num domingo de sol à beira do rio? Então lembro de outras fotos, daqui e de mundo afora, de cemitérios e hospitais, de informes, estudos, estatísticas, relatos e casos já de gente próxima e aí penso que – bom, penso outra coisa.


Não desejo ofender ninguém. Quem sabe estão com a razão? Concedo a todos que ali estão amontoados, desprotegidos e sorridentes o pleno direito de argumentarem a seu favor. Gostaria de escutar, de caminhar até eles e perguntar de onde tiram tanto desprendimento para prosseguir como se nada dramático estivesse acontecendo no mundo. Mas não tenho como retornar até o lugar e o momento, não tenho como sair de casa e fazer essa pergunta, apenas imagino.


Imagino que vejam, antes de tudo, como uma decisão individual na qual ninguém mais deva se intrometer. Problema meu, não abro mão do meu passeio e fim. Talvez também sintam-se imunes: sou jovem, sou atleta, não vou me contaminar nem adoecer. É certo que se justificam mutuamente, todo mundo está indo, por que eu vou ficar em casa? E quem sabe estejam mesmo desinformados da pandemia, crendo que é um vírus inócuo e passageiro que já está indo embora, perfeitamente administrável pelos sistemas de saúde.


Acontece que todas essas teses carecem de fundamento: a doença é altamente transmissível e estamos ainda abaixo do pico da contaminação à qual, aliás, todos estão sujeitos, em qualquer idade e condição física – e o sistema de saúde está neste exato momento à beira de total colapso. Acontece também que exatamente os mesmos equívocos são propagados pelo presidente da república e seus comparsas de genocídio no governo brasileiro, por mais que os números os contradigam, por mais que o resto da humanidade e da via láctea sustente e prove o contrário.


Posso então deduzir que a multidão serelepe das fotos, sorvendo um mate e se enturmando com toda tranquilidade, é feita de bons ouvintes, ou mais certamente de eleitores e seguidores do Bolsonaro. E que partilham com ele não apenas o descaso com a pandemia do coronavírus, mas a ânsia de destruir tudo que de socialmente positivo se conseguiu a muito custo encaminhar no país. E que, tal como sempre na triste história brasileira de golpes e caçadores de marajás, lá adiante vai sobrar para nós que levamos a pecha de esquerdalha – os que gentilmente nos confinamos em prol do coletivo, os que sempre alertamos, batalhamos e votamos por um estado de mínimo mal-estar social é que teremos um dia de juntar essa imensa merda que gente alegrinha e de coração leve como a Regina Duarte vai deixando pelo caminho.


Sem querer ofender ninguém, é aí que me sinto um completo idiota.




Publicações Recentes

(Des)invertendo sinais

No início de abril, publiquei aqui no blog uma queixa intensa por ter sido desclassificado em edital do governo do estado do RS, derivado...

Sobre trajetórias

Estou, como tantos já se mostraram, espantado com o resultado do edital Trajetórias Culturais, da Secretaria da Cultura aqui do RS....

O que temos para o futuro

Desde o início da pandemia da Covid-19, a luta contra a doença no Brasil tem sido a de um embate duplo: por um lado lidando com a...

assista

colabore

Sobre a campanha

Para os que quiserem colaborar com o site e a subsistência dos autores durante o confinamento da covid-19, a colaboração pode ser feita através do PIX de e-mail contato@neilisboa.com.br ou ​digitalizando o QR code abaixo:

qr-pix.png

O site, o blog e as lives estarão sempre abertos a todos sem cobrança alguma, feitos com grande prazer e obviamente também com algum custo e muito trabalho. Toda contribuição é bem-vinda e igualmente agradecida de coração.