NEI LISBOA

em casa e (ao) vivo

Sem ofender

Olho as fotos da multidão reunida na orla do Guaíba no último final de semana, quando completei dois meses de quarentena, e penso que sou um idiota. Por que me privo dessa maravilha que é passear num domingo de sol à beira do rio? Então lembro de outras fotos, daqui e de mundo afora, de cemitérios e hospitais, de informes, estudos, estatísticas, relatos e casos já de gente próxima e aí penso que – bom, penso outra coisa.


Não desejo ofender ninguém. Quem sabe estão com a razão? Concedo a todos que ali estão amontoados, desprotegidos e sorridentes o pleno direito de argumentarem a seu favor. Gostaria de escutar, de caminhar até eles e perguntar de onde tiram tanto desprendimento para prosseguir como se nada dramático estivesse acontecendo no mundo. Mas não tenho como retornar até o lugar e o momento, não tenho como sair de casa e fazer essa pergunta, apenas imagino.


Imagino que vejam, antes de tudo, como uma decisão individual na qual ninguém mais deva se intrometer. Problema meu, não abro mão do meu passeio e fim. Talvez também sintam-se imunes: sou jovem, sou atleta, não vou me contaminar nem adoecer. É certo que se justificam mutuamente, todo mundo está indo, por que eu vou ficar em casa? E quem sabe estejam mesmo desinformados da pandemia, crendo que é um vírus inócuo e passageiro que já está indo embora, perfeitamente administrável pelos sistemas de saúde.


Acontece que todas essas teses carecem de fundamento: a doença é altamente transmissível e estamos ainda abaixo do pico da contaminação à qual, aliás, todos estão sujeitos, em qualquer idade e condição física – e o sistema de saúde está neste exato momento à beira de total colapso. Acontece também que exatamente os mesmos equívocos são propagados pelo presidente da república e seus comparsas de genocídio no governo brasileiro, por mais que os números os contradigam, por mais que o resto da humanidade e da via láctea sustente e prove o contrário.


Posso então deduzir que a multidão serelepe das fotos, sorvendo um mate e se enturmando com toda tranquilidade, é feita de bons ouvintes, ou mais certamente de eleitores e seguidores do Bolsonaro. E que partilham com ele não apenas o descaso com a pandemia do coronavírus, mas a ânsia de destruir tudo que de socialmente positivo se conseguiu a muito custo encaminhar no país. E que, tal como sempre na triste história brasileira de golpes e caçadores de marajás, lá adiante vai sobrar para nós que levamos a pecha de esquerdalha – os que gentilmente nos confinamos em prol do coletivo, os que sempre alertamos, batalhamos e votamos por um estado de mínimo mal-estar social é que teremos um dia de juntar essa imensa merda que gente alegrinha e de coração leve como a Regina Duarte vai deixando pelo caminho.


Sem querer ofender ninguém, é aí que me sinto um completo idiota.




Publicações Recentes

Datemi un martello

No meio do caminho tinha um fio esticado, tinha um fio esticado no meio do caminho. O pé prendeu, o corpo se foi para a frente e para o c...

Com fibra

A vida na era digital é uma promessa permanente de felicidade que, cá entre nós, pouco se realiza ou se cumpre aos trancos e arrancos, co...

Sete a um

Descartados os merda, porra, foder e putaria bem próprios ao linguajar da milícia mais tosca, o vídeo da reunião ministerial liberado sem...

assista

colabore

Sobre a campanha

Para os que quiserem colaborar com o site e a subsistência dos autores durante o confinamento da covid-19, abrimos duas modalidades de colaboração. A primeira, através de um QR Code do PicPay – a moeda corrente das lives –, pode ser usada para contribuição de qualquer valor com um cartão de crédito:

A segunda forma, através da plataforma Sympla onde sempre oferecemos ingressos de shows, traz três valores de contribuição listados como um menu de primeiras necessidades do estúdio – o bom humor, como se vê, também está entre elas:

  • Café em pó - Item básico em qualquer estúdio, aqui consumido em largas doses. Os abnegados que tirarem do bolso curto pra sustentar esse nosso vício estão convidados a aparecer e tomar um cafezinho com a gente, tipo... daqui uns quatro meses hehe.

  • Álcool gel - Esse é essencial, né, não dá pra dispensar uma garrafinha bem à mão. De valor inflacionado e até difícil de encontrar. Contribuição que vale um super abraço, por enquanto virtual, espera só até agosto...

  • Internet - Outra despesa forte é a de internet, celulares, hospedagem, programetes e tudo aquilo que aqui faz a comunicação acontecer. Já estamos dando início às lives, e podemos agradecer todos ao vivo, dia desses quem sabe até bater um papinho no ar...

O site, o blog e as lives estarão sempre abertos a todos sem cobrança alguma, feitos com grande prazer e obviamente também com algum custo e muito trabalho. Toda contribuição é bem-vinda e igualmente agradecida de coração.

  • Spotify - Círculo Branco
  • Deezer - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco

fique por dentro

Receba as novidades do site por e-mail.

© 2020 Nei Lisboa