NEI LISBOA

em casa e (ao) vivo

Chá de panelaço

Quis o horóscopo chinês, em ano de camundongo, me presentear com uma nova casa justo na chegada do coronavírus e da quarentena. Sei de todas as tormentas do mundo, a pandemia, a fome, a tortura, mas a mudança de apartamento não fica muito atrás. Empacotar uma existência, socar dentro de um caminhão e desembrulhar lá adiante é uma trabalheira de enlouquecer. Por outro lado, é também uma chance de passar a limpo a vida e as gavetas, descartando quinquilharias que a preguiça acumula com a desculpa de que possam um dia ter utilidade.


Para o mal e para o bem, uma revolução. Ou duas para cada um: depois de anos de ensaio, Cíntia Belloc e eu juntamos os trapinhos e subimos na vida trezentos metros por uma lomba do Rio Branco, quase Bela Vista. Dá pra dizer que é um achado, considerando o ganho em espaço e algum ajuste fiscal no aluguel. E mais, estamos no único edifício com cupins, em meio aos condomínios garden dos arredores, com o grosso da população concentrada no nosso apartamento que esteve por muitos meses desocupado.


Não gosto de contar vantagem, mas em tempos de solidão compulsória podemos alardear que o distanciamento social no nosso caso é voluntário, uma lua de mel caseira, e que a companhia dos cupins anima a hora das refeições, ainda que prefiram as portas e janelas à mesa da cozinha. O bom espaço também vem muito a calhar, e não apenas porque ambos trabalhamos em casa desde sempre, ela com o estúdio de design gráfico, eu administrando o alter ego de cantautor. Alguns metros a mais desde a sala até o quarto ajudam na hora de se esticar as pernas, variar a paisagem e driblar as câimbras ou a monotonia do confinamento.


Da vizinhança, ainda pouco sabemos. A do nosso pequeno prédio é simpática e discreta, mas a redondeza em geral carrega a fama das manifestações à direita e seu extremo, apoiando o golpe, o Bolsonaro, chamando por intervenção militar. Nos panelaços de protesto dos últimos dias, por aqui ouviu-se alguma coisa que soava às vezes mais próximo de uma caçarola gourmet arrependida. Eu mesmo relutei em chegar chegando em território inimigo, o que me valeu um rebaixe descorçoado no olhar da Cíntia, e quero reparar isso de público aqui. Quem sabe como em um chá de panela virtual, se possa acrescentar na lista de contribuições para o site este artefato sensacional que o Giba Carnos criou e mostra no vídeo logo abaixo, e que prometo usar sem hesitação na alegria e na tristeza, até o Bozo cair.


Abçs, Nei


Publicações Recentes

(Des)invertendo sinais

No início de abril, publiquei aqui no blog uma queixa intensa por ter sido desclassificado em edital do governo do estado do RS, derivado...

Sobre trajetórias

Estou, como tantos já se mostraram, espantado com o resultado do edital Trajetórias Culturais, da Secretaria da Cultura aqui do RS....

O que temos para o futuro

Desde o início da pandemia da Covid-19, a luta contra a doença no Brasil tem sido a de um embate duplo: por um lado lidando com a...

assista

colabore

Sobre a campanha

Para os que quiserem colaborar com o site e a subsistência dos autores durante o confinamento da covid-19, a colaboração pode ser feita através do PIX de e-mail contato@neilisboa.com.br ou ​digitalizando o QR code abaixo:

qr-pix.png

O site, o blog e as lives estarão sempre abertos a todos sem cobrança alguma, feitos com grande prazer e obviamente também com algum custo e muito trabalho. Toda contribuição é bem-vinda e igualmente agradecida de coração.