QUASE BLUES

Nei Lisboa reúne repertório próprio e de outros autores sob o signo do blues. Em formato acústico, ao lado do pianista Luiz Mauro Filho, Nei interpreta canções de sua discografia que prestam tributo ao gênero, como Não me pergunte a hora e Verdes anos (parcerias com Augusto Licks), Rima rica, Abolerado blues, Bar de mulheres, Particípio, Bife, além de clássicos de Cole Porter, Alberta Hunter, Bob Dylan, Cazuza e Jorge Mautner, entre outros.

"Vamos tocar blues? Pode-se dizer que sim. Mas esse quase do título, afora respeito com experts e admiradores, quer mostrar também que vamos passar um pouco ao lado e além do gênero. Um nome apropriado para esse repertório, que vai mesclar Cole Porter, Sérgio Sampaio e as minhas escritas em compasso composto, teria que abrigar imagens do tipo 'cool', 'suave', 'acústico'. E ainda dar conta de momentos mais intensos, de um lote de canções que compus com o feeling e com uma levada típica, mas sem parentes em Chicago. Então, o blues – e o quase blues."


f o t o / A d r i a n a F r a n c i o s i